Já nasceu

Desculpem, estou em falha para convosco.

A nossa princesa já nasceu. Com 3,195kg e 48cm

Nasceu 10 dias antes da data prevista porque eu perdi líquido amniótico.

Graças a Deus foi tudo detetado a tempo, provocaram o parto, o corpo não reagiu por isso fizeram cesariana.

A nossa princesa nasceu saudável e agora somos 3. Temos a nossa família completa!

Gastámos algum bastante dinheiro e andámos 4 anos a lutar. Se valeu a pena?

Não há dúvida que sim!

Valeu a pena toda e cada viagem para Coimbra, Porto e Lisboa com mais ou menos esperança!

Valeu a pena cair e voltar a levantar!

Valeram a pena as 2 interrupções de tratamento, a não fecundação e o negativo para terminar com o positivo!

Valeram a pena o descolamento de placenta, as preocupações com alimentação por causa da toxoplasmose e a perda de líquido amniótico para ter agora a nossa guerreira nos nossos braços!

Só percebemos o quão fortes somos quando nos colocam à prova.

Agora, olhando para trás, percebemos que tanto nós como a nossa princesa fomos mesmo uns guerreiros. Nunca desistimos e agora estamos juntos, agora somos uma família de três!

Serve a nossa história para vos mostrar que é possível! Que não devem desistir.

Enquanto tiverem dinheiro [infelizmente sem dinheiro não se consegue nada quando falamos de infertilidade] não desistam! Acreditem que tudo vale mesmo a pena!

Como já tinha dito, este blogue deixa de fazer sentido porque a luta contra infertilidade acabou [graças a Deus] mas não o apago. A nossa história fica aqui publicada e o email deste blogue continua ativo.

Qualquer coisa de que precisem não hesitem. Eu continuo deste lado para vos ler e ajudar no que puder!

Anúncios

TEC e os (vários) positivos

Segunda feira [dia de consulta após o negativo]: disse-vos que o próximo tratamento seria apenas este ano, porque assim tínhamos combinado os dois, e assim dissemos a toda a família.
Na realidade, começámos neste dia um novo tratamento. Retomei os pensos Dermestril [2 pensos, trocados de 2 em 2 dias]. Retomei também 1 comprimido de ácido fólico por dia e comecei 1 de iodo por dia.
Segunda-feira, 2 semanas depois: ecografia de controlo e marcação de transferência – próxima segunda.
Continuei os pensos Dermestril, ácido fólico e iodo e recomecei a progesterona [na quarta-feira, 2 comprimidos de manhã e 2 à noite].
Segunda-feira seguinte: Transferência de embrião!
Fomos para Lisboa no próprio dia. Já estávamos na viagem e sempre a olhar para o telemóvel [à espera da confirmação]. A chamada chegou às 11h40 com boas notícias. O embrião descongelou corretamente e a transferência confirma-se! [alívio do tamanho do mundo].
Chegámos tão cedo que, com a minha lata natural, fui à IVI pedir para ir ao wc e voltei a sair para darmos uma volta. Mesmo assim ainda regressámos 1hora antes do suposto – às 14h30. Chamaram-nos ainda antes das 15h e eu fiquei aflita – ainda não tinha a bexiga cheia.. Mas não havia problema, era só para esperarmos no quarto, tudo se mantinha na hora planeada.
Às 15h fui esvaziar a bexiga e bebi 0,5l de água. Às 15h15 ainda não sentia a bexiga minimamente cheia. Só passei a sentir já em cima das 15h30. Chamaram-nos às 15h45 e desta vez o Smurf também entrou 😀
Após a transferência mandaram esperar 15 minutos e, desta vez só aguentei 20 [na primeira vez aguentei meia hora] e senti-me muito aflita!
Ainda estávamos na IVI quando enviaram o relatório do blastoscicto colocado.

Sintomas durante o período PUPO: Pregnant Until Proven Otherwise [grávida até que provem o contrário].
Dia 0: Dia de viagem. Poucos sintomas.
Dia 1: Ligeiras moínhas na barriga. Uma impressão nas costas [não sei bem se foi algum mau jeito nas costas ou dor de rins]. Custa estar muito tempo de pé.
Dia 2: Custa estar de pé. A cozinhar fico com dores nas costas, também por estar muito tempo de pé. Senti uma ligeira dorzita [nada de especial], no fundo da barriga, no lado direito, durante a tarde.
Dia 3: Continua a custar estar muito tempo em pé. Algumas dores de costas de vez em quando.
Dias 4,5,6: De vez em quando pontadas no ventre. Dores de costas quando estou muito tempo de pé. E dorzitas do lado direito também quando estou muito tempo de pé.
Dia 7: 1º teste de farmácia. Fui fazer sem stresse, à espera do negativo. Pensava que ainda era cedo..
Pois que começo a ver o outro traço, muito levezinho.. Chamo o Smurf e pergunto-lhe o que vê, sem lhe dizer o que é suporto ver [este teste tem o +, em vez de || ]. O Smurf olhava e esperava ver aparecer o segundo traço paralelo. E disse-me: tem o horizontal e só um vertical..
dia-7E eu: pois amor, é positivo!!! E ele: é mesmo? Não tem de dar outro paralelo? E eu expliquei-lhe que não: Há testes que mostram dois traços paralelos. Depois há estes testes que mostram o – ou o +.
E corri a tirar foto para mandar à única prima que sabia de tudo – a que nos costuma dar estadia em Lisboa – e ela também via o +, ainda que levezinho.
E estávamos os 3 com medo de festejar. Ela disse mesmo: “Boa. Mas não dou parabéns até termos a certeza”. 
E tive também algumas dores no ventre, por vezes mais fortes.
Dia 8: Mais um positivo, mas este começou com um grande susto. Não tínhamos mais testes em casa. Logo de manhã, assim que fiz chichi, deixei-o ‘guardado’, mas nem sequer ficou tapado. Ficou ali no wc a levar com o vapor de água enquanto eu tomei banho e depois disso mais duas horas [enquanto fui às compras e passei na farmácia a comprar outro teste] a apanhar ar.
Só o fiz após este tempo todo. Parecia dar um positivo muito ligeiro [ou eram os meus olhos que queriam, erradamente, ver o positivo]. Assim que voltei a fazer chichi fiz novo teste e lá deu realmente positivo, ainda que menos nítido que o do dia anterior, sendo que ficou depois um pouco mais nítido, ainda dentro dos 10 minutos em que o teste é considerado válido.
Deixo-vos aqui os dois:
dia-8As pontadas continuam, ainda que menos frequentes.
Dia 9Dia 9.jpgPontadas de vez em quando. Custa estar muito tempo em pé, doem logo as costas.
Dia 10:
Dia 10.jpgPontadas de vez em quando e custa estar muito tempo de pé.
Dia 11:Dia em que a IVI mandou fazer o Beta. Era sexta feira e o Smurf não podia ir comigo, mas podia ir sábado. Então, aguardámos mais um dia. E não fizemos nenhum em casa.
Dia 12: Dia de beta. Positivo em casa e siga para a clínica.
Dia 12.jpgRecolhemos sangue e esperámos até ao final da manhã: 169! Grávida entre 2 a 4 semanas!
Segunda feira seguinte [dia 13]: Liguei para a IVI, para informar a Dtra. Depois de pedir que enviasse o resultado, pediu se poderia repetir o exame nesse dia. Pensei que não conseguisse e informei a Dtra de todos os testes de farmácia que tínhamos feito. Então, se não fosse possível repetir o Beta não seria muito grave. E ficou agendada consulta para a próxima sexta-feira [dia 17 após TEC].
Entretanto, descobri um centro de análises aqui perto e ainda lá fui repetir o Beta, que deu 516. Ligaram a dar o resultado e disseram-me “O resultado é que está grávida” e eu “Sim, mas pode dizer-me o valor certo por favor?” A mulher deve ter achado que eu sou doida xD

Para finalizar a questão da TEC, fomos à IVI ter alta. Trouxemos os dados importantes da dadora [idade e tipo de sangue], bem como uma carta para o médico que nos vai seguir, onde consta também a indicação de quando devemos parar com toda a medicação, data sujeita a alteração do próximo médico.

Mandaram parar toda a medicação na 11ª semana. No entanto o médico que nos segue agora mandou parar o Dermestril nessa data, o Progeffik na semana seguinte. E continuar Ácido Fólico (Folicil) e Iodo (Yodafar), dizendo que após as análises já vemos mas o Yodafar é para manter durante toda a gravidez e o Folicil ou se mantém ou se muda para Folifer!

Notas importantes para tentantes:

  • Desta vez NÃO FIZ REPOUSO ABSOLUTO (dizem que não se deve fazer por causa da posição em que fica o útero quando estamos deitadas) entre o período de Transferencia de embrião e o resultado do Beta HCG;
  • Andei mais descontraída, não estive sempre a pensar no mesmo;
  • Bebi muita água, comi MUITA gelatina (e muitas gomas, não sei as ajudou mas deduzo que sim 😛), não fiz esforços físicos nem movimentos bruscos;
  • Não andei sempre a pesquisar sobre sintomas nem foquei a minha vida no embrião!
  • Como ninguém sabia, ninguém fazia perguntas sobre o assunto, o que ajudou bastante a mal pensar tanto sobre o assunto!
  • Tentei andar o mais calma possível, reduzi no tabaco e no café, vícios que só deixei após a gravidez. Sei que devia ter deixado antes, principalmente o tabaco, mas o stresse em que ia ficar não ajudaria em nada. 

Volto a reforçar: o mais importante é manter a calma e não estar sempre a pensar no mesmo!
Aprendi este truque com a Mi, a quem agradeço imenso, por tudo! Toda a ajuda que me deu na primeira transferência, eu apliquei na segunda e daí veio o positivo 😊

A novidade do ano por aqui

Na realidade é uma novidade que se reparte metade em 2016 e a outra metade no verão de 2017.
Desculpem andar tão ausente. Desculpem também só estar a contar a novidade agora mas estava à espera que passasse “aquele tempo” – as 12 semanas.
É verdade, conseguimos, estamos grávidos de 13 semanas! 😀
Na consulta seguinte ao negativo,  começámos logo outro tratamento, aceitando a proposta da Dtra. Eu e o Smurf combinámos dizer a toda a gente – família incluída – que o corpo ia descansar até este ano.. Cheguei mesmo a referir aqui “Pode ser verdade ou mentira e peço-vos já desculpa se for mentira.” Também por essa razão decidi não falar do nosso caso específico de infertilidade no blog (para não ter de vos mentir).
Eu disse também que escreveria tudo sobre a transferência de embrião nos rascunhos e publicaria logo se fosse negativo e mais tarde se fosse positivo. Esse post sobre a transferência será publicado amanhã =)
A gravidez em si já está a correr melhor, graças a Deus, mas às 6 semanas tive um descolamento de placenta [2 dias antes do natal]. Que levou a um susto gigante e 3 semanas de repouso absoluto [depois de tudo o que passámos, não queremos correr qualquer risco].
Ultimamente as minhas pesquisas na net resumem-se a artigos de bebé. Vou começar a partilhar convosco algumas dessas minhas pesquisas, nomeadamente no Instagram.
Entretanto, se houver por aí alguém com qualquer dúvida que seja relativamente à infertilidade, continuo aqui pronta par ajudar no que puder 😉
Deixo já uma dica para tentantes: após a transferência de embrião tentem pensar o menos possível no assunto, façam a vossa vida normal atendendo aos cuidados indicados – beber muita água, não fazer esforços físicos nem movimentos bruscos – mas não façam repouso absoluto! Nem se foquem apenas no embrião.
Falo-vos por experiência e amanhã, no post sobre a TEC vão perceber. Sei que parece impossível não pensar no assunto mas não é. Não é fácil mas também não é impossível 😉
Nós continuamos aqui, juntos os dois [e meio] a desejar muito que a gravidez corra bem e passemos a ser oficialmente três!
gravidez-esclerodermia

Porquê negativo?

Ainda antes de termos consulta já adivinhávamos a justificação. Ora, os óvulos eram doados e o sémen era ‘nosso’  logo a ‘culpa’ seria do sémen.
E foi +/- isso que a médica disse. Segundo ela não há certezas sobre de quem é a culpa mas ela ela inclina-se mais para que tenha sido o sémen..
Ora, uma vez que fecundaram 9 e depois só evoluíram 2 quer-me parecer que a culpa tanto pode ter sido do sémen como dos óvulos [ainda por cima, foi primeira doação da dadora] mas claro que a clínica não vai dizer isso. É óbvio e, por um lado, até compreendemos. Não podendo provar nada é natural inclinarem-se mais para o lado que lhes convém.
Também disse que se não resultar com o próximo embrião, num próximo tratamento a dadora será alguém que já tenha doado um óvulo que tenha dado recém-nascido. Mas para não pensarmos nisso agora e para nos focarmos que dará certo com o embrião que nos resta!
Depois também me perguntou se sentia a bexiga muito inchada no dia da transferência, porque poderia ter incomodado o útero. Esta pergunta é que já achei desnecessária visto que, no dia da transferência, a própria doutora disse que a bexiga estava no ponto certo! Eu respondi que não, estou habituada a andar com a bexiga cheia por preguiça [e nos dias anteriores à TEC, aguentei-a ainda mais cheia de propósito] e até lhe disse que não descansei os 15 minutos aconselháveis na clínica, mas sim 30 e a bexiga não atrapalhou em nada! Portanto não poderá ser esse o problema!
Concluindo, a médica deu-nos a justificação politicamente correta sem nos dar aso a ‘revoltas’ com a clínica. E nós já a esperávamos porque sabemos que não há forma de provar seja o que for! A medicina está evoluída mas ainda não resolve tudo!

Ontem tivemos consulta

Quando soubemos do negativo ligámos para a IVI. Disseram-nos que a nossa médica não estava mas um outro médico ligaria. Nem 5 minutos depois estavam a telefonar e era a nossa médica. Mesmo não estando na clínica de Lisboa foi ela que ligou.
Mandou parar de tomar tudo e esperar o mr red. A Dtra disse que ele ia chegar mas, após insistência minha em perguntar “e se não vier?” disse-me que, se isso por acaso acontecesse (o que era extremamente improvável), para ligar no fim da semana seguinte (semana de 31/10 a 04/11). Pois que veio logo no dia 01 e com aviso prévio – dores horríveis dia 31 e na noite de 31 para 01. Dores como nunca tinha tido! Tão fortes que me fizeram acordar de noite e dormir com uma couvete de gelo na cama!
Liguei para a clínica dia 2, por ser feriado dia 01 (só depois soube que podia ter ligado logo dia 01). Queriam que tivesse tido consulta ainda na semana passada. Pedi para que fosse apenas ontem por ser segunda-feira e assim o Smurf poder ir comigo, se tivesse sido na semana passada ele já não conseguiria tirar o dia.
Disseram que então a Dtra iria ligar para combinar. Não vendo razões em contrário, ficou então marcada para ontem.
Ainda antes da consulta queria ter escrito sobre o assunto porque eu e o Smurf decidimos não contar a ninguém quando vamos colocar o próximo embrião. Vou dizer-vos o que ambos combinamos e dissemos à família “agora o corpo vai descansar e só transferimos o próximo para o ano”. Já estava combinado antes da consulta e é tudo o que vos vou dizer sobre o assunto! Pode ser verdade ou mentira e peço-vos já desculpa se for mentira.
Por enquanto não vou falar de infertilidade no blog, se falar será no geral e não no nosso caso. Quando fizer a transferência vou escrevendo tudo nos rascunhos e depois publicarei tudo num só artigo, só depois do resultado. Se for negativo talvez poste nesse dia ou no dia seguinte, se for positivo logo vemos quando publicarei sobre o assunto! Sei que compreenderão.
Entretanto vou explicar [talvez amanhã mas, de certeza, ainda esta semana] o que a médica disse ontem sobre o facto de não ter dado em nada.

Dinheiro traz felicidade?

aqui escrevi sobre isso, em 2014. Agora sinto-o mais que nunca!
Há uns anos diria que dinheiro nada tem a ver com felicidade. Sempre detestei quem avalia os outros pelo conteúdo da sua carteira, e sobre esse tipo de pessoas a minha opinião mantém-se!
Mas neste momento tenho de dizer que sim: o dinheiro pode trazer felicidade! No nosso caso podia não trazer na mesma, mas aumentaria em muito o nível de esperança.
O nosso ponto de situação é: 1 único embrião, menos bom do que o que foi transferido. Não podemos voltar ao hospital público. Poder até podemos, para a lista de espera do hospital de Santo António no Porto – o único que trabalha com óvulos doados e tem uma lista de espera mínima de 4 anos, se entretanto não tiver aumentado.
Claro que a nossa esperança é mínima. Se não der com o embrião que nos resta, o que vamos fazer? Tentar ser felizes sem filhos? Não sei se vamos conseguir e tenho medo de pensar nessa hipótese.
Há três anos que a minha vida está em standby, eu não posso procurar emprego porque depois não terei como justificar as faltas para tratamentos. E não há hipótese de dizer a verdade em entrevistas de trabalho porque aí é que não me contratam de certeza!
Se tivesse dinheiro, estava cheia de esperanças.. Porque mesmo que não resultasse com o embrião que temos em laboratório faríamos outro tratamento, e mais outro, e os que fosse preciso!
Assim não é fácil, são tratamentos demasiado dispendiosos. Não nos podemos “dar ao luxo” de fazer vários e ficar sem pé-de-meia. Porque depois até poderia correr bem mas tínhamos o filho e não tínhamos condições económicas para ele! Fome não passaria mas não era nem um pouco o que idealizámos. Não é só para tratamentos que poupamos dinheiro – é para tratamentos e para um filho, para o futuro!
Não temos ido de férias porque o Smurf tem apenas 22 dias e 10 deles já estão guardados para outro trabalho. Dos restantes 12 vai tirando dias soltos para me acompanhar a consultas e tem sempre 1 semana guardada. Semana essa que queria tirar após a transferência e, a meu pedido não tirou: guardou para o caso de dar certo e poder haver complicações – preciso mais dele se tiver uma gravidez de risco! – e mesmo que resultasse e não fosse de risco já as poderia tirar em qualquer altura, já não precisava de as guardar para nenhuma situação específica!
E é isto.. Este standby constante, este guardar férias, mentir [algo que abomino] para não dar explicações!
Parecendo que não, tudo isto pesa quando o resultado é negativo. Se não tentássemos sentir-nos-íamos culpados. Assim, levámos um grande murro no estômago! Sentimos que não tem valido a pena. É certo que a esperança é e será sempre a última a morrer. A esperança não morreu, mais enfraqueceu bastante com todas estas interrupções e negativos!
Sinto que estamos a deixar de viver para nada!
Fomos à luta, pensámos que ‘afinal valeu a pena’ passar pelo público e não gastar dinheiro em vão em tratamentos com os meus óvulos na privada. Chegámos com esperança a 200%: o problema está nos meus óvulos e, como não os vamos utilizar, tudo vai correr bem! Só que não.. e mesmo sem sangue, o beta bem negativo e a esperança diminuiu mais do nunca! Ainda temos 1 embrião.. mas já só temos 1 embrião! Era impossível que a esperança não diminuísse.